Social Icons

sábado, 29 de março de 2008

MADDIE

É um tema que não quero aprofundar, já existem imensas notícias sobre o caso, imensos blogs e sites mas não posso deixar de dizer que apaixonei-me pelo caso logo de inicio e que tenho acompanhado desde então. Li recentemente o livro do Paulo Pereira Cristóvão e ainda bem, pois tudo ficou muito mais esclarecedor. Só veio confirmar o que já imaginava e que de certa forma pressenti logo que ouvi a notícia pela primeira vez, havia algo mais do que um rapto...

Pode ser que ainda levarão muitos anos até a verdade venha a ser conhecida, mas Deus queira mesmo que a verdade seja conhecida um dia, pela Maddie, pelas pessoas que trabalharam arduamente no caso e claro para desmascar um sistema bem montado logo de inicio que enganou muito boa gente. Tenho Fé.



Macau, terra que já foi minha….

Tenho andado a navegar em alguns blogs, nomeadamente o Bairro do Oriente onde o tema Eu profeta me confesso está a ser bastante interessante e bastante discutido.

Claro que o tema Macau me interessa, pois foi a minha Terra desde que eu nasci e posso concluir que os portugueses que ainda aí residem sentem de alguma forma abandonados por Portugal, mas também não posso deixar de concordar com algumas opiniões que alguns anónimos aí deixaram que são mais realistas do que os portugueses que ainda lá vivem e que estão habituados a uma vida mais fácil e comodista.

Talvez necessitem mais de apoio “psicológico”, querem sentir que Portugal não os abandonara, querem uma identidade que vêm a desaparecer de dia para dia, talvez porque estão a viver numa terra emprestada que um dia já foi nossa e que hoje em dia não são mais do que estrangeiros.

Custa muito, eu sei, custou-me a mim também. Tenho saudades de Macau que deixei em 1997, de Macau da minha infância onde brincava sem perigos no meu bairro com os meus vizinhos, de Macau da minha adolescência aonde havia sítios para andarmos de bicicleta, de mota ou de juntarmos nas esplanadas em frente ao rio com a maior pacatez, da discoteca do Royal, do Green Parrot ou do Mikado e também de Macau onde nasceram os meus filhos e onde eles também deram os primeiros passos.

A certa altura Macau tornou-se muito pequeno, a vida era fácil, não tínhamos que fazer nada senão ir trabalhar, levar e buscar os filhos no infantário e tínhamos dinheiro para tudo. A vida era muito desinteressante, tínhamos sempre que sair do nosso território para fazermos alguma coisa de jeito e a coisa mais interessante que se fazia lá eram compras onde depois empilhávamos nos nossos pequenos apartamentos.

Os filhos começaram a crescer e comecei a ver que levavam uma vida diferente que a minha, pois não podiam ir brincar com os vizinhos, porque vivíamos em prédios, nuns apartamentos com as janelas todas vedadas com ferros para que as crianças não caíssem nem que os ´homens aranhas´ nos viessem visitar. Estavam limitados a quatro paredes e só aos fins de semana podiamos apanhar um pouco de sol preferencialmente nas ilhas. Decidi que era tempo de partir.

De Portugal só conhecia Lisboa, Algarve e uma das ilhas mas mesmo assim resolvi arriscar e talvez sejamos uns dos poucos que adaptámos mesmo ao nosso País às mil maravilhas.

Para Macau já voltei várias vezes, a ultima foi em 2007. Senti-me perdida na minha Terra, não consegui sentir ligação, fiquei de rastos…pois voltei para sentir o cheiro, sentir a comida que tanto desejava e claro tentar ver as pessoas que conhecia, os meus amigos, tantas desilusões…

Encontrei uma coisa que nada tinha a ver com a minha Terra, havia mar de gente em todo o lado mas tão poucas caras conhecidas. Detestei ver a Praia Grande, do Liceu até á Barra era onde passava todos os dias, já não tem nada haver com aquilo que era e nem podia acreditar que a zona com que mais identifiquei e me senti mais em casa foi a zona das ´3 luzes´ que dantes só visitava de quando em vez. Chineses nas lojas que me perguntavam com admiração como é que eu falava tão bem o cantonense, fiquei indignada, pensei para mim, isto nunca me aconteceu, estou na minha Terra, e essa gente nem sabem que os ´macaenses´ falam fluentemente o cantonense. Será que o pessoal que lá ficaram deixara de ir á rua? Que pergunta mais despropositada. A minha cara não mudou ou será que sim?

É triste mas é verdade. Macau continua a ter as suas particularidades, voltarei sempre para férias mas estou muito feliz onde estou, já não conseguiria viver em Macau. A vida aqui é real, há muito mais dificuldades, ninguém pode ser comodista e claro as revoltas e indignações também fazem parte mas não posso queixar que Portugal não me recebeu de braços abertos e que conquistei todas a oportunidades que apareceram.

Guardarei sempre no coração a vantagem de ter nascido em Macau e guardarei sempre no meu coração a minha Terra que um dia foi M A C A U.

quinta-feira, 27 de março de 2008

O Sol do nosso País


É verdade, Portugal tem a sorte de ter uma boa localização. Apesar das dificuldades que estamos a passar, quando o Sol resolve abrir todos os ânimos mudam de figura, a boa disposição reina em todo o lado. Foi uma das maiores razões que me atraiu para este lindo País, é verdade este País é lindo! Apesar de muitas vezes me revoltar com certas coisas, tenho que dizer que gosto muito de aqui viver, de descobrir a beleza rara até em locais mais remotos e tenho tido tantas e tantas surpresas maravilhosas. Espero que o Sol volte em breve para nos iluminar e melhorar os nossos dias. Tenho esperanças que sim.

Return to Innocence



Uma das grandes músicas de sempre, meu grupo preferido!

sexta-feira, 21 de março de 2008

Adolescência, Autoridade, Obediência – Educação


Fiquei indignada com o vídeo da aluna e a professora, mais indignada ainda com os comentários do aluno que estava a filmar a cena e a indiferença do resto da turma por uns bons minutos.

Que falta de respeito desses alunos! Que falta de respeito da maior parte dos alunos desse País. Estou triste pelo caminho que isto está a levar. Tenho dois filhos adolescentes e não tem faltado problemas nas escolas, principalmente quando há reuniões de pais, fico cada vez mais parva com certos comentários de pais, do tipo “não consigo fazer nada do meu filho, a senhora professora está autorizada para lhe dar bofetadas”.

Não estou a culpar ninguém, pois acho que todos têm culpa, o Governo que não arranja condições necessárias para ter as escolas atraentes, para atrair os alunos, para fazê-los sentir bem, com respeito sempre, tanto para os professores, auxiliares e colegas. Os professores, que não sei como e aonde perderam a autoridade e a maior parte não conseguem controlar os alunos a partir do 5º ano, as directoras de turma perdem mais tempo a resolver problemas de comportamento dos alunos do que a ensinar. E claro os pais! Sempre achei que a educação começa em casa, é difícil pois educar não é só proibir, é fazer ver aos nossos filhos o que está bem ou mal, ensiná-los a respeitar as pessoas, apoiá-los e também recriminá-los quando é preciso, castigar e fazer valer os castigos.

Dá muito trabalho educar, e cabe nos a nós fazer o trabalho, um adolescente rebelde já é difícil agora imagina-se um professor com 20 ou 30, mas não é impossível nem assim tão difícil para os pais, com um pouco de trabalho, paciência e muito diálogo, os miúdos vão percebendo. O Governo tem de dar condições e os professores tem de poder estar tranquilos para poder ensinar aquilo que sabem aos mais novos, prepará-los para o futuro.

Depois da confirmação de quanto mal anda o comportamento dos alunos com este vídeo que anda a passar nas televisões, penso que é muito urgente agir para melhorar a situação. Não vale a pena fazer o jogo de empurra as culpas porque todos têm, temos é de nos unir e resolver a questão para o bem nos nossos filhos, é o amor que podemos lhes dar, é termos o trabalho para os educar.

quinta-feira, 20 de março de 2008

Foi há 8 anos!


Uma das melhores coisas que fiz foi deixar de fumar. Fez ontem oito anos, é verdade e já não me imagino a fumar outra vez nunca mais. A liberdade falou mais alto, amo demais a liberdade para estar a ser controlada pelo tabaco. A preocupação de acabar o maço no meio da noite e não ter nada para fumar na manhã seguinte era séria. Mesmo estando a tossir que nem uma louca tinha que puxar daí o fumo, era horrível! Não foi fácil mas não foi tão difícil assim, nada que não se resolva com força de vontade e determinação mais nada. Hoje sinto-me tão bem, a natação substituiu o tabaco, o cheiro e o paladar voltaram e a minha casa deixou de ter as paredes e as portas com nicotina colada.

Cães Perigosos!


Essa do governo querer proibir certas raças de cães não tem lógica nenhuma, aliás quem é que percebe a lógica desse governo na maior parte das coisas que fazem? Mas como amante de animais e em especial cães, não entendo essas de cães potencialmente perigosos. Qualquer raça de cão com mais de 35 kg pode ser perigoso, é um animal e quando o instinto fala mais alto não há outra forma de reagir senão ladrar, rosnar e até morder. Os donos desses cães com força é que têm que mantê-los em segurança e manter também as pessoas em segurança, agora proibir? Parece que vai resolver alguma coisa...Adoro cães grandes, quanto maior melhor e acreditem a maior parte deles são muito pachorrentos, até os Rottweillers, só quando se sentem ameaçados é que a coisa pode tornar-se mais séria. Todos os cães devem ter registos, assim torna mais fácil em autuar os donos em casos de irresponsabilidades. Parece que esse governo adoptou a filosofia de proibir! Quiseram fazer com os piercings e agora com certas raças de cães. Penso que de todas as raças o Pitbull é a única que não tenho confiança nenhuma, pois já a raça foi concebida para fins menos nobres, mas mesmo assim já vi esses cães dóceis. Dá trabalho, mas o melhor é começar com os registos e fiscalizações, é mais justo do que as proibições que nada vai resolver.

segunda-feira, 17 de março de 2008

Reality



Dedico esta música a alguém muito especial, que já não está neste mundo há mais de vinte anos mas sempre que oiço esta música não posso deixar de recordar do momento em que os nossos olhares se cruzaram naquela bancada do Grande Prémio de Macau.

A partir daí foram uns anos de despertar, uns anos inesquecíveis que passaram num ápice, cheios de aventuras, adrenalina e paixão.

Foste e serás sempre The Special One.

Férias da Páscoa

Finalmente, o segundo período acabou e umas merecidas férias da Páscoa para a criançada e os pais. Também tirei uns diazitos para o descanso, estava já a precisar, o corre corre do dia a dia, a polivalência no trabalho e as lides de casa têm sido estafantes, estava mesmo a precisar de umas férias sem ir a lado nenhum. Simplesmente gozar a minha casinha,a companhia da minha família e os meus animaizinhos de estimação. Andar de um lado para outro na aldeiazinha onde vivo, ver o seu progresso que tem sido imenso. Respirar esse ar puro que ainda existe nestas zonas rurais, admirar as paisagens, o céu, as nuvens e o mar e ouvir o cantar dos pássaros.

domingo, 16 de março de 2008

Sem fazer nada

Mais um domingo. Estou aqui sem fazer nada, ás vezes sabe tão bem, ter tempo para não fazer nada. Apenas vaguear nos pensamentos, lembrar o passado e sonhar com o futuro. Claro, este luxo não pode demorar muito, o presente existe e temos de fazer acontecer a nossa vida. Bom domingo!

quinta-feira, 13 de março de 2008

Heidi



Não é a versão que eu assistia mas a música era a mesma, a letra é que era cantado em chinês. Bons tempos que já lá vão....

Bom para a tosse


Com a mudança do tempo, lá aparecem as tosses para nos chatear, então aquelas tosses irritantes que nos dá à noite quando estamos deitados é do pior e difícil de resolver, vai aqui uma dica para um alívio rápido para esse mal.

- Esfregar energéticamente Vicks em cada planta dos pés e calçar umas meias quentinhas.

Em menos de meia horita, está o assunto resolvido e se não for assim é melhor ir ao médico.

A Greve dos Funcionários Públicos

Vai haver greve amanhã! Também sou FP mas não vou aderir. A greve não vai resolver nada, ainda por cima descontam no vencimento e apontam os nomes dos funcionários. Nunca senti tanta insegurança em Portugal, tão sem esperança, será que isto algum dia vai melhorar? Os sindicados têm de mudar de estratégias, está mais que visto que com greves não resulta. O povo português têm que ter mais criatividade para defender os seus objectivos e não deixar o Governo espremer como quer. Trabalhar com objectivos até que é bom e não tenho nada contra as avaliações de desempenho mas agora trabalhar para nunca mais subir na vida é difícil de engolir, porque com este sistema de quotas nas avaliações e a entrada em vigor das novas carreiras, a maior parte dos funcionários nunca mais progridem e isso é triste e desmotivante. A Função Pública tinha de mudar mas o Governo está a exceder nas medidas e isso só vai prejudicar mais o País. Deus queira que haja luz no fundo do túnel porque sinto o País a afundar, cada vez mais parecido com um Brasil ou uma Argentina e penso que ninguém quer que isso aconteça.

terça-feira, 11 de março de 2008

Éna! Tenho um BLOG!

Finalmente criei o meu blog, nem posso acreditar! Para quê? Não sei, talvez tenha algo para dizer mesmo sem ninguém para escutar. Estou feliz, tenho um blog! Hello Blog world, hoje é o dia do meus nascimento.
 

As visitas em numeros

Ocorreu um erro neste dispositivo